Partilha Nossa Página no Facebook Nova guerra fria pode surgir no mar do Sul da China ~ Canal 82 | Agência de Notícias

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Nova guerra fria pode surgir no mar do Sul da China



Por George. E por Boris. Era assim, com a proximidade de dois amigos, que Ieltsin e o pai Bush se tratavam. A 1 de fevereiro de 1992, um sábado, vestidos com roupas informais de inverno, os então líderes da Rússia e dos Estados Unidos declararam formalmente o fim da Guerra Fria. Faz hoje 25 anos. Os dois trocaram elogios e promessas de cooperação. "Considero-o um amigo", disse George. "Tenho sorte, como político e a nível pessoal, de o ter conhecido", devolveu Boris.

O mundo tinha mudado. O muro que dividia Berlim ao meio fora derrubado em 1989, a União Soviética deixara de existir em 1991 e a cortina já não era feita de ferro. Apesar da nova ordem mundial e das juras de amizade, os velhos inimigos nunca viriam a cair nos braços um do outro de forma incondicional. "Vladimir Putin não sentiu que a Guerra Fria tivesse acabado", explica ao DN Taras Kuzio, investigador ucraniano da Universidade de Alberta, no Canadá. "Chegou ao poder em 2000, com uma agenda nacionalista que virou à direita em 2005-07, depois da Revolução Laranja na Ucrânia. E desde então sempre acreditou que havia uma guerra entre a Rússia e o Ocidente", acrescenta o especialista em política pós-comunista.

A invasão russa da Crimeia em 2014, as consequentes sanções económicas impostas a Moscovo, as posições antagónicas no conflito sírio, o destacamento de forças da NATO para a Polónia e para os países do Báltico e a pirataria informática russa nas eleições norte-americanas voltaram a pôr nas páginas dos jornais e na boca dos comentadores a expressão Guerra Fria. Com Putin de um dos lados da nova cortina. E com a Europa e Barack Obama do outro. Até que Donald Trump, ainda durante as primárias republicanas, entrou em jogo, baralhou as cartas e lançou para cima da mesa uma mão de rasgados elogios ao líder russo.


Da Rússia com amor?


Na sexta-feira passada o presidente dos EUA voltou a dizer que espera ter uma "relação fantástica" com Putin e no fim de semana os dois líderes falaram por telefone. Depois da conversa, tanto o Kremlin como a Casa Branca sublinharam que o diálogo fora positivo e que os dois presidentes tinham acordado colaborar em questões económicas e na luta contra o terrorismo.

Com Trump na Sala Oval, terá a nova Guerra Fria, travada nos últimos anos, chegado ao fim e começado uma relação de amor entre Washington e Moscovo? "Poderá haver uma curta lua de mel, mas não será o fim da Guerra Fria", sublinha José Milhazes. Para o ex-correspondente em Moscovo os dois líderes têm personalidades muito semelhantes e vão acabar por chocar. "Trump fala como se fosse o melhor do mundo e Putin também é assim. Além disso, a nível internacional os problemas são tantos que mais tarde ou mais cedo vão entrar em confronto", assegura o jornalista.

Na opinião de Kuzio - à semelhança do que aconteceu no passado - esta será "mais uma tentativa de começar tudo do zero que irá falhar". Para o investigador há dois motivos para esse fracasso. Por um lado, "o regime autoritário de Putin precisa de inimigos para existir". Por outro, "os russos acreditam que não fizeram nada de mal e que é o Ocidente que tem que mudar".

A questão ucraniana será uma variável chave no romance entre Moscovo e Washington. Por muito que Donald Trump queira, será muito difícil retirar as sanções económicas impostas à Rússia. A anexação da Crimeia, no fundo, faz com que Putin e Trump estejam condenados a não conseguirem entender-se. "Não têm condições para fazer um bom acordo. Trump não pode fazer as concessões sobre a Ucrânia que Putin reclama", explica Carlos Gaspar, investigador Instituto Português de Relações Internacionais. Caso os EUA reconhecessem "explícita ou implicitamente a Ucrânia como parte da esfera de influência da Rússia estariam a rever os acordos que definem a ordem internacional do pós-Guerra Fria", acrescenta o analista.


Estalando o verniz entre os dois, Taras Kuzio não tem dúvidas de que a zanga será feia: "Quando as relações azedarem Trump irá enviar armas para a Ucrânia".


Em teoria, a luta contra o terrorismo - em particular contra o Estado Islâmico (EI) - seria uma batalha na qual EUA e Rússia jogariam no mesmo lado. Mas na prática os analistas ouvidos pelo DN não estão certos de que assim seja. "O objetivo de Putin é assegurar a sobrevivência do regime alauíta na Síria, consolidar a convergência estratégica com o Irão e separar a Turquia da NATO. A neutralização do EI é um objetivo secundário para a Rússia", sublinha Gaspar. "O ISIS é uma ameaça apenas para o Ocidente", assinala Kuzio na mesma linha de pensamento.



Donald Tusk ao ataque



Enquanto a relação entre Moscovo e Washington não esfria, a de Bruxelas com Trump vai ficando menos calorosa. Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, qualificou como "preocupantes" as posições do novo líder dos EUA, acrescentando que "parecem colocar em causa os últimos 70 anos de política externa norte-americana". O ex-primeiro-ministro polaco, na carta que enviou aos chefes de Estado e de governo da União Europeia, fez questão de referir a "assertiva" chinesa na questão dos mares e a "agressividade" da política russa para com a Ucrânia, como duas das variáveis que tornam o futuro imprevisível.


Em matéria de guerras frias, Milhazes acredita que a próxima será também travada a Oriente: "Além de ter armas nucleares, a China é uma potência económica. O problema nas relações dos EUA com China poderá ser muito mais complexo do que com Moscovo".


Estará então a nascer uma nova guerra fria? "Possivelmente sim e isso poderá levar a confrontos militares no mar do Sul da China", defende Kuzio. O mesmo analista antevê ainda que possa começar outra guerra caso Taiwan declare independência e Donald Trump decida reconhecê-la em afronta a Pequim.




"Parece que o mundo se está a preparar para a guerra", sentenciou na revista Time na semana passada Mikhail Gorbachev, o último líder da ex-União Soviética.

PARTILHA NO FACEBOOK COM AMIGOS...

FRASES DE AUGUSTO KENGUE CAMPOS

AUGUSTO KENGUE CAMPOS

FRASES DE AUGUSTO KENGUE CAMPOS

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES (BAIXAR)

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

PROMOVA TEU EVENTO AQUI...

ENVIE-NOS NOVIDADES

ENVIE-NOS NOVIDADES