Partilha Nossa Página no Facebook Portugal trata os angolanos como se ainda "fossem escravos", acusa Jornal de Angola ~ Canal 82 | Agência de Notícias

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Portugal trata os angolanos como se ainda "fossem escravos", acusa Jornal de Angola




Editorial não poupa críticas à actuação portuguesa, em particular no caso que envolve Luaty Beirão. Isabel Moreira, deputada do PS, é um dos principais alvos.

O editorial natalício do Jornal de Angola, controlado pelo Estado angolano, assinado pelo seu director, José Ribeiro, não poupa críticas a Portugal e às suas “elites”.


Iniciando o texto com uma reflexão sobre a instabilidade política que assolou a comunidade internacional nos últimos meses, como por exemplo a eleição de Donald Trump ou o “Brexit”, José Ribeiro apela à unidade interna de Angola para que “nunca mais estraguem o Natal aos angolanos”, lê-se no artigo.

E é aqui que começam as críticas à actuação de Lisboa: “Quarenta e um anos depois da independência de Angola, as elites portuguesas continuam a tratar-nos com má educação, como se ainda fôssemos seus escravos”, acusa o director do Jornal de Angola. Isto devido à “forma execrável” como Portugal tratou o caso que envolve o “cidadão português Luaty Beirão”, que é acusado “de crimes graves em Angola” e que “tinha como fim último mobilizar forças para a realização de actos de violência e de terrorismo muito semelhantes aos praticados em Paris, Nice, Berlim”.

“As punhaladas portuguesas são históricas”, continua José Ribeiro. Em particular, a intervenção da deputada do PS Isabel Moreira, filha de Adriano Moreira, “antigo ministro do Ultramar”, recorda o editorial. A deputada socialista classificou o regime de José Eduardo dos Santos, na Assembleia da República e na presença de Luaty Beirão, de “ditadura brutal”.
Sobre isto escreve-se que “a Assembleia da República Portuguesa tem todo o direito de acolher de braços abertos o cidadão português Luaty Beirão. Tem até o direito de o receber com mais cordialidade do que tratou o chefe de Estado angolano, alvo também da falta de educação recorrente dos nervosos deputados portugueses em relação aos estrangeiros”. No entanto, Ribeiro avisa que "quando a Assembleia da República Portuguesa e o Governo português apenas recebem bem os inimigos da paz em Angola não podem dizer que as relações com Angola são fraternas. Aos irmãos não se apunhala pelas costas”.
PARTILHA NO FACEBOOK COM AMIGOS...

AUGUSTO KENGUE CAMPOS

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES

DIVULGA-TE AQUI...

DIVULGA-TE AQUI...

PROMOVA TEU EVENTO AQUI...

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

ENVIE-NOS NOVIDADES

ENVIE-NOS NOVIDADES