Partilha Nossa Página no Facebook Jornal de Angola: “Elites portuguesas tratam-nos como se fôssemos seus escravos” ~ Canal 82 | Agência de Notícias

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Jornal de Angola: “Elites portuguesas tratam-nos como se fôssemos seus escravos”



Num artigo publicado no Jornal de Angola, órgão detido pelo Estado, o diretor daquela publicação acusa as elites portuguesas de apunhalarem um país irmão e de olharem para Luanda como ex-colónia.

“Quarenta e um anos depois da independência de Angola, as elites portuguesas continuam a tratar-nos com má educação, como se ainda fôssemos seus escravos“. As acusações são duras e estão vertidas num artigo de opinião assinado por José Ribeiro, diretor do Jornal de Angola, publicação controlada pelo Estado angolano. Nele, o responsável pela publicação denuncia aquilo que diz serem as “punhaladas nas costas desferidas por Lisboa” e critica os tiques colonialistas dos portugueses. Em causa está a cobertura dada por Portugal ao “cidadão português Luaty Beirão”, que se preparava para realizar “atos de violência e de terrorismo muito semelhantes aos praticados em Paris, Nice, Berlim“.
Na sua mensagem de Natal para os leitores angolanos, José Ribeiro escreve: “A forma execrável como trataram Angola por causa do caso dos ‘Revus’, e em particular do cidadão português Luaty Beirão, investigado e acusado de crimes graves em Angola, é característica dessa atitude [esclavagista] de Lisboa. As punhaladas portuguesas são históricas“.
O diretor do Jornal de Angola não poupa, de resto, Isabel Moreira, a deputada socialista que a 14 de dezembro, em pleno Parlamento português e na presença de Luaty Beirão, arrasou o regime de José Eduardo dos Santos, a que chamou “ditadura brutal”. A propósito desse discurso, José Ribeiro lembra que Isabel Moreira é filha de “Adriano Moreira, antigo ministro do Ultramar”.
Mas essa é apenas uma das muitas considerações que o diretor da publicação faz sobre o caso que envolveu Luaty Beirão. Para José Ribeiro, Luaty e os restantes ativistas presos em Angola são “financiados pelo multimilionário George Soros [empresário que fundou a Open Society Foundation, uma organização que apoia movimentos pela democracia em vários países]” e dedicaram-se a “manifestações selvagens que degeneraram em confrontos com a Polícia Angolana, que respondeu de maneira equilibrada, comparada com a intervenção musculada das forças da ordem na Europa”.
Os responsáveis políticos portugueses, no entanto, julgaram mais uma vez mal o caso, agindo com o preconceito de sempre. “Por ser Angola, Portugal voltou a julgar este caso de maneira diferente, com dois pesos e duas medidas, tal como o fez com Savimbi e faz sempre“, acusa José Ribeiro.
Está provado que o cidadão português Luaty Beirão radicalizou-se no Reino Unido e em França para lançar a violência em Angola. A atividade em que se envolveu é típica de quem trabalha para a Open Society, de Soros, e serviços externos. A atual viagem do cidadão português à Europa, a coberto de uma campanha de propaganda mediática, destina-se apenas a receber o dinheiro pelos serviços que prestou a Soros. Cumpriu bem a missão. Por isso também foi à Suíça. Luaty não é nenhum filho do regime angolano, é um filho sem pai nem mãe, mal educado como os deputados da estirpe de Isabel que se metem na Esquerda sem esconderem a sua matriz pró-apartheid”, escreve o diretor do Jornal de Angola.
José Ribeiro estende depois as críticas ao comportamento de todos os deputados portugueses que se solidarizaram com a causa de Luaty Beirão. “Quando a Assembleia da República Portuguesa e o Governo português apenas recebem bem os inimigos da paz em Angola não podem dizer que as relações com Angola são fraternas. Aos irmãos não se apunhala pelas costas“.
PARTILHA NO FACEBOOK COM AMIGOS...

FRASES DE AUGUSTO KENGUE CAMPOS

AUGUSTO KENGUE CAMPOS

FRASES DE AUGUSTO KENGUE CAMPOS

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES (BAIXAR)

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

PROMOVA TEU EVENTO AQUI...

ENVIE-NOS NOVIDADES

ENVIE-NOS NOVIDADES