Partilha Nossa Página no Facebook NO MUNDO ÁRABE: CRIANÇAS SÃO VENDIDAS PARA CASAR COM MILIONÁRIOS ~ Canal 82 | Agência de Notícias

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

NO MUNDO ÁRABE: CRIANÇAS SÃO VENDIDAS PARA CASAR COM MILIONÁRIOS



AUGUSTO CAMPOS | LUANDA, 29 Outubro 2015:

Área de fronteira entre Mianmar e China vive aumento nos casos de tráficos de seres humanos.


Pode acreditar você não leu errado, Ela foi mesmo vendida, Criança foi vendida pelo padrasto por cerca de R$ 6 mil a um saudita de 40 anos de idade ela nao aguentou a noite da Lua de mel. Segundo os médicos, a menina morreu com ferimentos internos no útero…confira em detalhes essa história chocante:
Casamentos de meninas do Iêmen chamaram a atenção internacional em 2010, quando uma jovem de 13 anos que tambem morreu de hemorragia interna . O caso inspirou uma outra menina iemenita, de nove anos, a publicar um relato traduzido sobre seu casamento com um homem de três vezes sua idade.
Dados das Nações Unidas afirmam que cerca de 52% das meninas no Iêmen se casam antes dos 18 anos, e 14% antes dos 15. Muitas delas são forçadas a parar de estudar quando atingem a puberdade.
Várias organizações de defesas dos direitos humanos já exigiram um castigo exemplar para o homem e também para a sua família, a principal responsável pelo casamento forçado.
O caso desta menina não parece ser o único no Iémen pois, há dois meses, uma menina de 11 anos denunciou que fugiu de casa para evitar um casamento forçado, planeado pela sua família, a troco de dinheiro. Como pode existir esse tipo de coisa em pleno século XXI!? O que pensa sobre isso?
Sonita Alizadeh gravou clipe em que diz que noivas são vendidas.
Ela planeja seu futuro nos EUA e defende o fim do casamento de crianças.

Sonita Alizadeh nasceu no Afeganistão, onde muitas das meninas têm o mesmo destino: ainda crianças, são negociadas por sua famílias com seus futuros maridos em troca de dinheiro. No entanto, sua inconformidade com a tradição e o rap a ajudaram a escapar do casamento que não desejava. Depois de ouvir de sua mãe, pela segunda vez, que se casaria, gravou o clipe “Filhas à venda” e chamou a atenção de uma ONG que conseguiu uma bolsa para ela a estudar nos Estados Unidos.

“Quando minha mãe me disse que iria me vender, senti como se estivesse morrendo. Tive medo de perder o meu futuro e não conseguia entender que ela não via isso”, diz a rapper, de 18 anos, por e-mail ao G1.
Aos 10 anos, Sonita ouviu pela primeira vez que sua família negociava seu casamento com um primo, mas a união não foi adiante. Ainda criança, sua família saiu do Afeganistão para fugir do Talibã e se mudou para o Irã. Naquele país, por volta dos 15 anos, começou a compor. Ela conta que suas influências são o rapper Eminem e a cantora iraniana Yas. 
Como cantoras precisam de uma autorização do governo do Irã para atuar, ela compunha e gravava suas músicas escondida, em estúdios clandestinos. Sonita tinha medo. “Um dia a polícia apareceu em frente ao estúdio clandestino em que eu gravava. Achei que estivessem lá para me levar, tive muito medo. Eu estava cantando sobre temas reais e eles não gostavam disso”, diz Sonita, que chegou a pensar que seria deportada ao Afeganistão. Mas o alvo da polícia naquele dia não era ela.

Aos 16 anos Sonita compôs “Filhas à venda” (Dokhtar Forooshi, em persa), em que canta sob a perspectiva de uma menina que está prestes a se casar: “Estou perplexa com esta tradição e essas pessoas. Eles vendem meninas por dinheiro. Sem direito, sem escolha. Agora meu pai está preocupado com os custos de vida. Quem pagar mais leva a garota”.
Nesta época, a jovem conheceu um diretor de cinema que se interessou por sua história e a ajudou a gravar o clipe, em que aparece vestida de noiva, com um código de barras estampado na testa e marcas de agressão no rosto. Ela postou o vídeo no YouTube e chamou a atenção do grupo Strongheart, que apoia jovens artistas que crescem em contextos difíceis.

A ONG conseguiu uma bolsa de estudos em uma escola de Utah, nos Estados Unidos, e Sonita foi ao novo país sem falar nada para sua mãe. Telefonou apenas quando chegou lá, em janeiro deste ano. “Eu estava feliz de me mudar para um lugar diferente e longe, sabendo que tinha todo o apoio”, conta.
Minha vida é muito diferente agora e eu gosto disso, mas estou sempre pensando sobre como acabar com o casamento de crianças"
Sonita Alizadeh
Ela diz que não guarda ressentimentos das decisões de sua mãe. “Eu sei que não é culpa dela. Ela estava seguindo uma tradição e fazendo o que era esperado. Ela também sentiu que precisava de dinheiro e eu entendo isso. Mas finalmente ela me escutou e agora ela vê o meu valor e me apoia. Isso é muito forte da parte dela, e eu sou grata”.

Agora a jovem diz que pode planejar seu futuro sem se preocupar com a sua sobrevivência. “No Afeganistão, e em outros países, mulheres não têm direitos e estão apenas pensando em sobreviver. Nos Estados Unidos, elas pensam sobre o seu futuro. Podem pensar em como vão se tornar quem querem ser e em como vão alcançar seus sonhos”, diz. “Minha vida é muito diferente agora e eu gosto disso, mas estou sempre pensando sobre como acabar com o casamento de crianças”, diz.

PARTILHA NO FACEBOOK COM AMIGOS...

AUGUSTO KENGUE CAMPOS

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES

DIVULGA-TE AQUI...

DIVULGA-TE AQUI...

PROMOVA TEU EVENTO AQUI...

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

ENVIE-NOS NOVIDADES

ENVIE-NOS NOVIDADES