Partilha Nossa Página no Facebook LUANDA: MÃES MANIFESTARAM-SE CONTRA O REGIME E PEDIRAM LIBERDADE AOS JOVENS DETIDOS ~ Canal 82 | Agência de Notícias

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

LUANDA: MÃES MANIFESTARAM-SE CONTRA O REGIME E PEDIRAM LIBERDADE AOS JOVENS DETIDOS



AUGUSTO CAMPOS | LUANDA, 10 Agosto 2015:
DR / MAKA ANGOLA

Na Avenida Comandante Valódia, a pouco mais de um quilómetro do ponto de partida [da manifestação], os vários comandantes e oficiais dos serviços de segurança presentes no local ordenaram a carga policial contra os manifestantes. As mães presentes não foram poupadas. Artigo de Rafael Marques, presente na manifestação, publicado em Maka Angola.

O ativista David Salei encontra-se internado, em estado de saúde delicado, no Hospital Américo Boavida, devido aos espancamentos que sofreu durante a repressão policial, hoje, da marcha das mães e dos familiares dos 15 presos políticos.

Paulo Paixão explicou ao Maka Angola que David Salei “foi brutalmente pontapeado nas costelas e no abdómen, e apanhou com vários porretes. Ele está muito mal, não consegue falar em condições e tem a perna direita paralisada”.

“Eu apanhei dois porretes nas costas, mas consegui fugir”, relatou Paulo Paixão.

 A irmã mais velha do preso político Fernando Tomás “Nicola Radical” foi arrastada por um cão largado pelas forças policiais contra os manifestantes. O animal mordeu o pano que ela trazia vestido, puxou-a, e embateu num ferro, desmaiando em seguida. A polícia evacuou-a do local. Sara João Manuel, esposa de "Nicola Radical", também foi atingida com várias bastonadas desferidas pela polícia. Desconhece-se, até ao momento, o paradeiro de ambas.

Deolinda Luís, mãe do preso político Benedito Jeremias, foi espancada na região do baixo-ventre pelo bastão de um agente da Polícia Nacional, e acabou caída. Um outro agente policial, da brigada canina, soltou o cão contra Deolinda Luís, que foi mordida na mão direita. Sangrava e queixava-se de dores. Os comandantes da polícia impediram, na altura, que fosse assistida, para ocultarem provas evidentes da sua própria brutalidade. Estes foram os casos mais notórios da repressão violenta contra a marcha pacífica das mães e dos familiares dos 15 presos políticos.

Pouco depois das 14h00, no Largo da Independência, mais de 50 pessoas, empunhando alguns cartazes, iniciaram a marcha e, seguindo sempre pelo passeio, prosseguiram pela Alameda Manuel Van-Dúnem. “Liberdade Já", "Libertem os Nossos Filhos", "Libertem os Nossos 15" eram as palavras de ordem dos manifestantes. Os apelos foram subindo de tom, de energia e de nervosismo, à medida que a polícia apertava o cerco. O aparato policial, inicialmente discreto, revelou-se em poucos minutos desproporcional, face ao pequeno número de manifestantes. Na Avenida Comandante Valódia, a pouco mais de um quilómetro do ponto de partida, os vários comandantes e oficiais dos serviços de segurança presentes no local ordenaram a carga policial contra os manifestantes. As mães presentes não foram poupadas.

Do outro lado da barricada, antes do início da marcha, em concertação com as entidades policiais, Leonor João, mãe de Afonso Matias "Mbanza Hamza", tentava a todo o custo dissuadir as outras mães de prosseguirem com a marcha. Propunha, como alternativa, que obedecessem às ordens, segundo ela, do Comando-Geral da Polícia Nacional, para que os manifestantes se dirigissem ao Cemitério da Santana, no sentido contrário da marcha, onde, com certa ironia, as autoridades diziam ter colocado um dispositivo policial para "proteger" os manifestantes.

A irmã do preso político Arante Kivuvu, Lídia Kivuvu, de 23 anos, afirmou ao Maka Angola que não é possível conversar com a polícia, porque “têm muito mau comportamento”. Os agentes policiais feriram a jovem com duas bastonadas na perna direita, durante a repressão contra os manifestantes.

“Nós não ofendemos ninguém. Gritávamos apenas pela liberdade dos nossos filhos e irmãos. A forma como nos bateram é um caso grave de violência contra as mulheres”, afirmou a jovem.

Ontem, Adália Chivonde (mãe de Nito Alves), Gertrudes Dala (irmã de Nuno Álvaro Dala) e Leonor João (mãe de Mbanza Hamza), encontraram-se, em separado, com o vice-procurador-geral da República e com o comandante-geral da Polícia Nacional, o comissário-chefe Ambrósio de Lemos. Nestes encontros, tendo transmitido a intenção de realizar a marcha, obtiveram, segundo Gertrudes Dala, uma reação de “boa vontade das autoridades”.

“Sobre a marcha, o comandante Ambrósio de Lemos disse-nos que "não é ninguém e não tem como decidir sobre o assunto. Disse-nos que cabia a nós a decisão de defender os nossos familiares. Depois disso, é lamentável que nos tenha mandado bater e soltar os cães contra nós”, prosseguiu Gertrudes Dala. O ativista Raúl Mandela, que promoveu o encontro das autoridades com as cidadãs acima referidas, não foi poupado, apesar do seu papel de intermediário junto das mães. A polícia assestou-lhe golpes de bastão, e Mandela queixa-se de fortes dores de cabeça.

A mãe de Nito Alves, Adália Chivonde, apanhou uma bastonada na perna que a deixou prostrada no próprio local. “Fiquei ali mesmo onde me empurraram, e apanhei com o porrete. É lamentável a polícia bater-nos assim", desabafou a vítima.

 Vários jovens foram atacados, também com bastões e com cães. Nelito da Costa lutou com um dos cães largados pela polícia. “Primeiro, o cão rasgou-me as calças. Na segunda investida, quando tentou saltar-me para o peito travei-o com um soco no focinho. À terceira, mordeu-me no joelho esquerdo”. Conseguiu escapar à perseguição policial que se seguiu. Lúcia Silveira, presidente da Associação Justiça, Paz e Democracia (AJPD), diz que a “polícia atingiu o cúmulo. Ao maltratar as mães, demonstram que a situação é muito mais grave. É inadmissível. Como se justifica isso? As mães terão muito mais solidariedade e qualquer dia, com a crise económica, muito mais pessoas sairão à rua”. Jornalistas ameaçados

 No ato de repressão, agentes policiais e dos serviços de segurança “recolheram”, conforme nova terminologia policial, os jornalistas Coque Mukuta, da Voz da América, e Rafael Marques de Morais, do Maka Angola.

Um alto oficial, resguardado na sua viatura de alta cilindrada preta e de vidros fumados, ordenou, por meio de sinais, aos agentes policiais para que não detivessem Rafael Marques de Morais, mas que apenas confiscassem a sua máquina fotográfica. O que se seguiu foram ordens e contra-ordens, tendo os agentes policiais confiscado e devolvido três vezes a máquina fotográfica. Depois veio a ordem de condução do jornalista e da sua câmara à 3.a Esquadra, no Pau da Cobra, e a contra-ordem para que se levasse apenas o equipamento, e que o jornalista fosse “acompanhado a pé”. Nova contra-ordem, e o jornalista lá deu por si na viatura policial, a ser ameaçado pelo chefe da missão de que levaria uma sova caso continuasse a “reclamar”. Passaram-se vários minutos, e nova ordem foi dada para a soltura e devolução do equipamento. Entretanto, um oficial da polícia, sempre com ameaças, ordenou ao jornalista: “Tens de caminhar em direção ao Rangel [na perifereia em sentido contrário ao da sua residência]. Se tentares caminhar pela cidade, vais sentir o nosso poder de coerção." O jornalista recusou-se a acatar a ordem, e recordou à polícia a prática de raptos de ativistas, em que as forças da ordem têm estado mancomunadas com os serviços de segurança.

Tag: Manifestação das Mães em Luanda, Angola. Fotos

PARTILHA NO FACEBOOK COM AMIGOS...

AUGUSTO KENGUE CAMPOS

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES

DIVULGA-TE AQUI...

DIVULGA-TE AQUI...

PROMOVA TEU EVENTO AQUI...

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

ENVIE-NOS NOVIDADES

ENVIE-NOS NOVIDADES