Partilha Nossa Página no Facebook MILAGRE: MÉDICO RUSSO OPEROU-SE A SÍ MESMO ~ Canal 82 | Agência de Notícias

segunda-feira, 8 de junho de 2015

MILAGRE: MÉDICO RUSSO OPEROU-SE A SÍ MESMO



-----
AUGUSTO CAMPOS | LUANDA, 08 Junho 2015: 


Durante uma expedição à Antártida na década de 1960, o médico russo Leonid Rogozov ficou gravemente doente. Rogozov precisava ser operado e, como único médico da equipe, sabia que somente ele próprio poderia fazer a cirurgia.
O inverno polar se avizinhava quando o expedicionário de 27 anos começou a perceber os primeiros sintomas. Cansaço, fraqueza e náusea. Mais tarde, uma dor forte no lado direito de seu abdômen.
"Como cirurgião, ele não teve dificuldade em diagnosticar apendicite aguda", disse o filho de Rogozov, Vladislav, em entrevista à BBC. "Ele havia feito esse tipo de cirurgia muitas vezes, no mundo civilizado era uma operação de rotina".
No entanto, naquele momento, o médico estava muito longe do mundo civilizado.
Rogozov integrava a sexta expedição soviética à Antártida, uma equipe de 12 homens cuja missão era construir uma base no Oásis Schirmacher.
A Estação Novolazarevskaya já estava funcionando. Em meados de fevereiro de 1961, tendo completado o trabalho, o grupo se instalou para enfrentar o tenebroso inverno.
Apendicite
No final de abril, Rogozov se viu em perigo e sem poder contar com ajuda de fora. A viagem da Rússia para a Antártida levara 36 dias por mar, e o navio só retornaria em um ano. Voar era impossível por causa da neve e das tempestades.
"Ele podia esperar por ajuda que não viria ou operar a si mesmo", disse Vladislav. Não era uma escolha fácil. Rogozov sabia que seu apêndice poderia estourar e, se isso acontecesse, sua morte seria quase certa. Enquanto ele refletia sobre suas opções, os sintomas pioravam.
"Ele teria de abrir seu próprio abdômen para tirar seu intestino para fora", disse Vladislav. "Ele não sabia se aquilo era humanamente possível."
Além disso, durante a Guerra Fria, oriente e ocidente competiam nas corridas nuclear, espacial e polar e o peso dessas disputas caía sobre os ombros de cada indivíduo.
O comandante da base russa teve de pedir permissão a Moscou antes da operação. "Se meu pai morresse, isso geraria publicidade negativa para o programa Antártico soviético", disse Vladislav.
Rogozov tomou sua decisão. Ele faria a cirurgia em si mesmo, em vez de morrer sem ter feito qualquer coisa.
"Não dormi a noite passada. Dói como o diabo! Uma tempestade de neve açoitando a minha alma, uivando como 100 chacais", o médico escreveu em seu diário.
"Ainda não há sintomas óbvios de uma perfuração iminente, mas um sentimento de maus presságios me oprime... É isso. Tenho de pensar detalhadamente sobre a única saída possível - operar a mim mesmo. É quase impossível, mas não posso apenas dobrar meus braços e desistir."
Rogozov elaborou um plano minucioso de como a correria a operação e deu a seus colegas papeis e tarefas específicos.

Ele nomeou dois assistentes para fazer a instrumentação durante o procedimento, posicionar a lâmpada e segurar um espelho - o médico planajava usar o reflexo para ver o que estava fazendo. O diretor da estação polar também estava na sala, caso um dos outros desmaiasse.
"Ele era tão sistemático que até instruiu os assistentes sobre o que fazer se ele começasse a perder a consciência - como injetá-lo com adrenalina e fazer respiração artificial", disse Vladislav.
Uma anestesia geral estava fora de questão. Ele poderia fazer uma anestesia local na parede do abdômen mas uma vez que tivesse cortado o abdômen, a remoção do apêndice teria de ser feita sem qualquer analgésico, de forma a manter sua mente tão límpida quanto possível.
"Pobres dos meus assistentes! No último minuto, olhei para eles. Estavam ali em pé, vestindo suas roupas cirúrgicas brancas, mais brancos do que o branco das roupas", Rogozov escreveu mais tarde. "Eu também estava com medo. Mas quando peguei a agulha com a novocaína e fiz a primeira injeção, de alguma forma entrei no 'modo cirurgião' e daquele ponto em diante eu não notei mais nada."
Rogozov desistiu de usar o espelho porque a imagem invertida o atrapalhava.Optou por usar as mãos - sem luvas - trabalhando a partir do tato.
Quando chegou à fase final da cirurgia, quase perdeu a consciência. Começou a ter medo de fracassar no obstáculo final.
"O sangramento é forte, mas vou devagar... Ao abrir o peritônio, feri a víscera e tive de costurá-la", escreveu. "Estou cada vez mais fraco, minha cabeça começa a girar. A cada quatro ou cinco minutos eu descanso entre 20 e 25 minutos."
"Finalmente, aqui está o maldito apêndice! Horrorizado, vejo a mancha escura em sua base. Ela indica que, mais um dia, (o apêndice) teria estourado. Meu coração ficou visivelmente mais lento, minhas mãos pareciam borracha. Pensei, isso vai terminar mal - e tudo o que faltava era remover o apêndice."
Mas Rogozov não fracassou. Após quase duas horas, completou a operação, até o último ponto.
Depois, antes de se permitir um descanso, explicou a seus assistentes como lavar os instrumentos cirúrgicos e apenas quando a sala estava limpa e arrumada o médico tomou antibióticos e comprimidos para dormir.

ULTIMO SEGUNDO

AUGUSTO KENGUE CAMPOS

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES

DIVULGA-TE AQUI...

DIVULGA-TE AQUI...

PROMOVA TEU EVENTO AQUI...

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

ENVIE-NOS NOVIDADES

ENVIE-NOS NOVIDADES