Partilha Nossa Página no Facebook João Lourenço pode ser o presidente de Angola em 2017 ~ Canal 82 | Agência de Notícias

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

João Lourenço pode ser o presidente de Angola em 2017


O MPLA reúne sexta-feira em Luanda o Comité Central, numa altura em que o líder do partido no poder em Angola, José Eduardo dos Santos, ainda não disse se pretende recandidatar-se ao cargo de Presidente da República.

Como o Folha 8 escreveu na sua última edição, num artigo de Pedrowski Teca, o mundo ouviu inúmeras vezes que o presidente José Eduardo dos Santos, no poder desde 1979 sem nunca ter sido nominalmente eleito, deixaria a Cidade Alta e a vida política activa. Mas foram, pelo menos até agora, palavras que na realidade não passaram de jogos políticos para medição da pulsação de eventuais adversários internos e, também, para apaziguar espíritos de revolta dos que contestam a longevidade do mesmo na Presidência do país.
Tais rumores voltaram agora à ribalta, dando conta que José Eduardo dos Santos não será o candidato número um do partido no poder, MPLA, nas eleições gerais de 2017.
Os mesmos rumores cirandam em alguns círculos desde antes da mais recente viajem “privada” de Dos Santos a Barcelona, Espanha, fazendo crer que a 10 de Novembro, o mesmo terá anunciando sobre a não recandidatura numa reunião do Bureau Político do MPLA.
Fala-se ainda que Dos Santos pretende fazer um anúncio a respeito deste assunto, já esta sexta-feira na reunião do Comité Central.
Recorde-se que a 11 Março deste ano, o presidente de Angola, do MPLA e Titular do Poder Executivo, terá dito que iria retirar-se da vida política activa em 2018, deixando fértil a crença de que seria o candidato do seu partido nas eleições do próximo ano.
Os pronunciamentos de presidente Dos Santos, especialmente quanto à sua retirada da vida política e possível sucessão na liderança do MPLA, sempre foram fomentadores de dúvidas e confusões.

Durante uma reunião do Comité Central do MPLA, em Agosto de 2001, José Eduardo dos Santos surpreendeu muitos com as seguintes palavras: “Quer as eleições se realizem em 2002 ou 2003, teremos um ano e meio ou dois anos e meio para que o partido possa preparar o seu candidato para a batalha eleitoral – e é claro que esse candidato não se vai chamar José Eduardo dos Santos”.
Como uma isca saborosa no anzol atirada ao mar, rapidamente se descobriu que as mesmas palavras não passaram de manobras de diversão, procurando averiguar contestações partidárias internas camufladas e a pulsação externa.
A isca foi abocanhada pelo então secretário-geral do MPLA, o general João Lourenço, que foi afastado no congresso posterior, por ter dado indicações públicas de que pretendia disputar o cargo de presidente do partido com José Eduardo dos Santos.
João Lourenço foi afastado dos mecanismos de tomada de decisões mais próximos de Dos Santos, e posto a desempenhar funções de primeiro vice-presidente da Assembleia Nacional.
Por um certo período de tempo, notou-se a ascensão de Fernando da Piedade Dias dos Santos “Nandó”, ex-comandante geral da Polícia Nacional, na vida política, que chegou a ocupar o cargo de primeiro-ministro.
A nova Constituição de 2010 extinguiu a posição de primeiro-ministro, criando assim a vice-presidência da República.

Eu? Sim, não, talvez… antes pelo contrário

Nesta nova conjuntura, as eleições gerais de 2012 mostraram-se tenebrosas para Nandó, cuja posição eleitoral foi esvaziada com o surgimento do ex-presidente do Conselho da Administração da Sonangol, Manuel Domingos Vicente, como o número dois na lista partidária.
Após as eleições, Fernando da Piedade Dias dos Santos passou a ocupar o cargo de presidente da Assembleia Nacional, enquanto Manuel Vicente tornou-se o vice-presidente da República.
Embora se tenha destacado como “bom gestor” na Sonangol para o regime nos tempos das vacas gordas, poucos anos após as eleições, Manuel Vicente é visto como tendo insuficiências políticas e militares para ser digno da sucessão na presidência.
Segundo críticos, Manuel Vicente não tem cadastro político ou militar, sendo fruto da escolha e imposição de Dos Santos, chegando a não cumprir consenso no seio do partido e doutras franjas do país.
Em Abril de 2014, o presidente Dos Santos recuperou o general reformado e antigo secretário-geral do MPLA, João Lourenço, um militar de carreira e político veterano do MPLA que nesse ano passou a ministro da Defesa. Em Agosto deste ano, durante o VII Congresso Ordinário do MPLA, João Lourenço foi nomeado vice-presidente da República.
Desde então, João Lourenço tem sido conotado como a balança de poder na sucessão de José Eduardo dos Santos, numa altura que também se nota a ascensão dos filhos do presidente, nomeadamente: Isabel dos Santos, como PCA da Sonangol, Zenú dos Santos como PCA do Fundo Soberano e Tchizé dos Santos como deputada na Assembleia Nacional.
Num partido político, onde o presidente Dos Santos nunca concorreu internamente com um outro candidato à presidência do MPLA, evidenciando a monopolização do poder, pode afirmar-se que o futuro presidente do MPLA e de Angola, mantendo o “status quo”, dependerá da vontade do actual presidente.
E chegamos assim à reunião do Comité Central em que os seus 363 membros deverão “deliberar”, ou simplesmente concordar, com o que Eduardo dos Santos vai dizer.
“Em 2012, em eleições gerais, fui eleito Presidente da República e empossado para cumprir um mandato que nos termos da Constituição da República termina em 2017. Assim, eu tomei a decisão de deixar a vida política activa em 2018”, disse na altura, e textualmente, José Eduardo dos Santos.
“Devemos olhar para trás e analisar o que fizemos com o necessário sentido de crítica e autocrítica, para constatarmos o que não foi bem feito. Os erros deverão ficar no passado e servir de critério para corrigirmos o presente e projectarmos o futuro. Só não erra quem não trabalha, mas o MPLA trabalha e faz, e o povo sabe. E está sempre empenhado em fazer mais e melhor”, afirmou José Eduardo dos Santos, na abertura do congresso do MPLA, a 17 de Agosto.
O Comité Central (eleito no congresso de Agosto) é o órgão máximo entre congressos e integra, na nova composição, José Filomeno dos Santos e Welwistchea dos Santos, filhos do Presidente Eduardo dos Santos.
O presidente do MPLA , chefe de Estado e Titular do Poder Executivo, de 74 anos, está no poder desde Setembro de 1979, após a morte do primeiro Presidente, António Agostinho Neto, tendo ocupado a pasta de ministro das Relações Exteriores de Angola logo após a proclamação da independência, a 11 de Novembro de 1975.

Folha 8

Tag: Presidente angolano joão lourenço, manuel vicente presidente de angola, eleições de 2017 em angola, novo presidente angolano, eleições em angola, conflito em angola. lista de ministros de angola, lista de dirigentes do MPLA dirigentes da UNITA no governo angolano.
PARTILHA NO FACEBOOK COM AMIGOS...

AUGUSTO KENGUE CAMPOS

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES

DIVULGA-TE AQUI...

DIVULGA-TE AQUI...

PROMOVA TEU EVENTO AQUI...

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

ENVIE-NOS NOVIDADES

ENVIE-NOS NOVIDADES