Partilha Nossa Página no Facebook A PIOR CRISE MIGRATÓRIA DO PÓS GUERRA MUNDIAL ~ Canal 82 | Agência de Notícias

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

A PIOR CRISE MIGRATÓRIA DO PÓS GUERRA MUNDIAL



AUGUSTO CAMPOS | LUANDA, 10 Setembro 2015:

Muitos Estados europeus, sobretudo do Leste e o Reino Unido, continuam a confundir protecção de fronteiras com ajuda a refugiados.

Uma onda de imigrantes desesperados do Oriente Médio e da África colocou pressão sem precedentes sobre os países da UE (União Europeia), especialmente Itália, Grécia e Hungria. Mais de 350 mil deles foram detectados nas fronteiras da UE entre janeiro e agosto de 2015, em comparação com 280.000 em 2014, segundo uma estimativa da Organização Internacional para as Migrações.
Os conflitos na Síria e no Afeganistão, e a violência na Eritreia, são os principais motores da migração. Mais de 2.600 migrantes se afogaram no Mediterrâneo este ano, tentando alcançar a Grécia ou a Itália, diz a OIM.
Muitos tentam a perigosa rota dos Balcãs Ocidentais, na esperança de chegar a Alemanha e outros países do Norte da UE.
O total de 350 mil detectado até agora este ano nas fronteiras da UE inclui mais de 230 mil que chegaram na Grécia e quase 115 mil na Itália. Cerca de 2.100 chegaram à Espanha.

Europa Ocidental

A União Europeia quer combater contrabandistas perto da costa africana. Os governos europeus estão divididos sobre o destino daqueles que chegam à costa. Em maio, os líderes europeus disseram que iriam formar uma força naval com sede na Itália para combater o tráfico de pessoas. 
A Comissão Europeia apelou também aos Estados membros do bloco a aceitar cotas de imigrantes para aliviar a carga sobre os países do sul, como a Itália e a Grécia, que são os principais pontos de desembarque. A pobreza e guerra em lugares como a Líbia, o Sudão do Sul, Eritreia e Nigéria estão impulsionando imigrantes a fazer a perigosa viagem através do Mar Mediterrâneo.
A crise migratória começou a atrair mais atenção do mundo no final de julho, quando os incidentes em Calais (França) se acentuaram. Mas na realidade, os imigrantes na cidade são responsáveis por cerca de 1% das pessoas que chegaram na Europa até agora este ano.
As estimativas sugerem que até 5.000 chegaram a Calais --2,5% dos mais de 200 mil que desembarcaram na Itália e na Grécia.
O número de imigrantes que chegou até agora neste ano (200 mil) constitui apenas 0,027% da população total da Europa de 740 milhões. Há países com infraestruturas sociais em ponto de ruptura por causa da crise de refugiados --mas eles não estão na Europa.
O exemplo mais óbvio é o Líbano, que abriga 1,2 milhão de refugiados sírios dentro de uma população total de aproximadamente 4,5 milhões.
Para colocar isso em contexto, um país que é mais de 100 vezes menor do que a UE já recebeu em mais de 50 vezes o número de refugiados.
No início deste ano, a UE optou por suspender as operações de salvamento marítimo em grande escala no Mediterrâneo, na crença de que a sua presença incentivava imigrantes a arriscar a viagem do mar da Líbia para a Europa.

Na realidade, as pessoas continuaram a fazer as travessias e houve um aumento de 4% durante os meses em que as missões de resgate estavam suspensas. Mais de 27.800 pessoas tentaram a viagem em 2015, ou morreram na tentativa, até que as operações serem restabelecidas em maio, de acordo com dados da Organização Internacional para as Migrações. Em 2014, este número foi de 26.740.

Europa Oriental

Os combates entre as tropas ucranianas e separatistas pró-Rússia afetaram severamente cinturão industrial da Ucrânia. Centenas de milhares de ucranianos fugiram para a Rússia. Mas os países da União Europeia, como a Polônia, Alemanha e Itália, que estão entre os principais destinos para os requerentes de asilo, rejeitaram a maioria das aplicações de ucranianos.
Menos de um terço dos US$ 316 milhões necessários em 2015 para a resposta humanitária das Nações Unidas foi levantada até agora. O conflito foi particularmente prejudicial para a economia da Ucrânia, que deverá encolher 9% até ao final do ano.

Bálcãs 

Dezenas de milhares de migrantes e refugiados tentam seguir caminho para o norte da Europa através dos Bálcãs. Massas de imigrantes e refugiados, muitos da Síria, Afeganistão e Kosovo, têm assustado autoridades nas fronteiras de vários países dos Bálcãs na tentativa de chegar à Europa Ocidental. Os imigrantes viajam em grupos de algumas dezenas, rumo ao norte de ônibus, trem, táxi ou van.
A mídia sérvia informou que cerca de 70 ônibus de imigrantes entraram na capital, Belgrado, no último domingo. Imigrantes da Macedônia disseram a repórteres que eles estavam especialmente ansiosos para atravessar a Hungria depois que o país informou que planeja completar uma barreira ao longo da fronteira com a Sérvia até segunda-feira.

Oriente médio

Até o final de julho, 62% dos imigrantes que chegaram à Europa de barco este ano vieram da Síria, Eritreia e no Afeganistão, de acordo com dados compilados pela ONU. Estes são os países dilacerados pela guerra, opressão ditatorial, e extremismo religioso --e, no caso da Síria, todos os três.
Os seus cidadãos têm quase sempre o direito legal de pedir refúgio na Europa. E se você adicionar à mistura aqueles provenientes de Darfur, Iraque, Somália e algumas partes da Nigéria - em seguida, a proporção total de migrantes que podem se qualificar para obter asilo sobe para mais de 70%.
Os vizinhos da Síria têm dificultado a travessia dos imigrantes em seus territórios. Os anos de violência no Iraque e na Síria esgarçaram as capacidades dos países vizinhos para acomodar os desabrigados. 
Na Jordânia, o desemprego quase dobrou desde 2011 em áreas com altas concentrações de refugiados, de acordo com um recente estudo da Organização Internacional do Trabalho. O Líbano começou a exigir vistos aos sírios em janeiro deste ano. Os refugiados agora compõem cerca de 20% da população do Líbano. Em março, a Turquia anunciou que iria fechar as duas entradas restantes na fronteira com a Síria.
Este ano, segundo dados da ONU, 50% dos imigrantes são de dois países não africanos: Síria (38%) e no Afeganistão (12%). Quando os imigrantes provenientes do Paquistão, Iraque e Irã são adicionados à equação, torna-se claro que o número de imigrantes africanos é significativamente menor do que a metade.

Sudeste Asiático

Milhares de bengaleses e Rohingya, uma minoria étnica de Mianmar, fogem da pobreza e da perseguição pelo mar.
A Indonésia e a Malásia, países que, no passado, receberam muitos refugiados de Bangladesh e de Mianmar, primeiro reagiram ao novo aumento dos imigrantes prometendo enviar de volta barcos de contrabandistas.
Diante da pressão pública, inverteram a sua posição em meados de maio, dizendo que iria servir de abrigo para imigrantes ainda no mar. Uma ausência de desembarques e uma escassez de avistamentos sugerem que o fluxo tenha diminuído.
Tag: Crise Financeira e Migratória Europeia.

AUGUSTO KENGUE CAMPOS

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES

DIVULGA-TE AQUI...

DIVULGA-TE AQUI...

PROMOVA TEU EVENTO AQUI...

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

ENVIE-NOS NOVIDADES

ENVIE-NOS NOVIDADES