Partilha Nossa Página no Facebook JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS REAGE A DETENÇÃO DOS ACTIVISTAS ~ Canal 82 | Agência de Notícias

quinta-feira, 2 de julho de 2015

JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS REAGE A DETENÇÃO DOS ACTIVISTAS



------
AUGUSTO CAMPOS | LUANDA, 02 Julho 2015:
DR/RA

“Quem escolhe a via da força para tomar o poder ou usa meios anti-constitucionais, não é democrata”, disse José Eduardo dos Santos.

O Presidente da República, José Eduardo dos Santos, disse hoje que os angolanos não devem ser expostos a situações dramáticas idênticas a de 27 de Maio de 1977, data em que milhares de militantes do MPLA foram mortos, incluindo Nito Alves, supostamente por tentar um golpe de Estado.
“Não se deve permitir que o povo angolano seja submetido a mais uma situação dramática, como a que viveu em 27 de Maio de 1977, por causa de um golpe de Estado”, afirmou José Eduardo dos Santos, comentando o caso que envolve a prisão de 15 activistas acusados pela Procuradoria Geral da República de estarem a preparar um atentado contra o presidente e outros membros dos órgãos de soberania.
Falando na abertura da terceira sessão extraordinária do Comité Central do MPLA, que está a decorrer no complexo Futungo II, em Luanda, o também presidente do partido, aconselhou os cidadãos interessados a conquistar o poder formando um partido político e concorrendo às eleições.
“Quem quer alcançar a Presidência da República e formar o governo que crie, se não tiver, um partido político nos termos da Constituição e da Lei, e se candidate às eleições”, sugeriu o chefe de Estado, naquela que é a sua primeira declaração pública desde a prisão dos activistas no dia 20 de Junho.
“Quem escolhe a via da força para tomar o poder ou usa meios anti-constitucionais, não é democrata. É tirano ou ditador. Acusaram o MPLA e os seus militantes de intolerantes, mas a mentira tem pernas curtas, hoje todos sabem onde estão os intolerantes e nem é preciso dizer os seus nomes”, concluiu José Eduardo dos Santos.
Ao todo, 15 pessoas foram detidas. O Ministério Público alega que a conduta dos suspeitos configura actos preparatórios para o cometimento do crime de rebelião, tendo sido decretada a prisão preventiva “por inconveniência da liberdade provisória”.
Na versão dos jovens activistas, associados ao designado Movimento Revolucionário, estes encontravam-se regularmente para discutir a intervenção política e cívica, inclusive com acções de formação.


PARTILHA NO FACEBOOK COM AMIGOS...

AUGUSTO KENGUE CAMPOS

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES

DIVULGA-TE AQUI...

DIVULGA-TE AQUI...

PROMOVA TEU EVENTO AQUI...

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

ENVIE-NOS NOVIDADES

ENVIE-NOS NOVIDADES