Partilha Nossa Página no Facebook ISABEL DOS SANTOS INVESTE 200 MILHÕES NA EFACEC ~ Canal 82 | Agência de Notícias

segunda-feira, 15 de junho de 2015

ISABEL DOS SANTOS INVESTE 200 MILHÕES NA EFACEC

 

-----
AUGUSTO CAMPOS | LUANDA, 15 Junho 2015:

Depois de vários meses de negociações, a empresária angolana e filha do presidente passa a ter uma participação de 65 por cento na Efacec Power Solutions, adquirida por uma injeção de capital de 200 milhões de euros.

A filha do Presidente de Angola ganha uma posição maioritária na multinacional portuguesa, aumentando deste modo o seu património em Portugal. Analistas sublinham que, por esta via, a empresa portuguesa, com experiência na área industrial, aumenta a sua capacidade de presença em grandes projetos em África.

Setor energético na mira da mulher mais rica de África

A Efacec portuguesa ganha novo fôlego com a entrada de Isabel dos Santos no capital da empresa. A empresária angolana, que acaba de comprar 65 por cento da sociedade Efacec Power Solutions, passa a ser acionista maioritária daquela que é considerada uma das maiores multinacionais portuguesas, vocacionada para as áreas da energia, engenharia, ambiente, serviços e transportes, com operações nas Américas, na Europa, Ásia e África.

A injeção de 200 milhões de euros no capital da empresa é vista como uma lufada de ar fresco, sobretudo para a manutenção e desenvolvimento de projetos no continente africano. Angola está entre os principais mercados, refere o jornalista de economia Celso Filipe: "A Efacec Power Solutions é uma empresa com um leque diversificado de atividades que permitem quase de chave na mão prestar uma série de serviços em Angola."
Empresa luso-angolana estará bem lançada para negócios em Angola
O setor energético é dos que beneficiará significativamente da larga experiência industrial da Efacec. Para o autor do livro “O Poder Angolano em Portugal a Efacec é também uma empresa que permite a Isabel dos Santos "criar rede, uma malha internacional.

João Bento, o gestor que liderou a empresa nos últimos quatro anos, disse ao semanário português Expresso que a vantagem do novo acionista face a outros candidatos foi a valorização atribuída à Efacec. Acrescentou que «esta constitui uma oportunidade para aumentar expressivamente a capacidade de estar presente nos grandes projetos de infraestruturação e de desenvolvimento em África e Angola em particular». De acordo com Celso Filipe, a situação financeira da empresa portuguesa não é a melhor e esta entrada do capital angolano vai permitir à multinacional relançar a sua atividade e ter acesso a crédito bancário.

Por sua vez, Filipe Alves, um dos autores do livro “Os Novos Donos Disto Tudo – Quem manda de facto em Portugal”, sublinha a forte presença angolana no capital de várias empresas portuguesas, na última década, o que tenderá a crescer:

"De facto há um reforço do poder angolano em setores estratégicos. Isso é inegável. É sabido que as empresas portuguesas, tanto as públicas como as privadas, estão muito endividadas e o capital estrangeiro, de facto, é necessário. O importante, no meio disto tudo, não é se o investidor é angolano ou chinês ou dos Estados Unidos. O importante é que as regras sejam cumpridas e que haja um escrutínio desses poderes".
Transparência nos negócios e boa governação das empresas exigem-se
Para o jornalista, o império de Isabel dos Santos em Portugal, avaliado em cerca de três mil milhões de euros, é agora reforçado com a compra da Efacec. De cordo com o analista, há, entretanto, alguma pressão de alguns círculos na opinião pública sobre a origem do dinheiro investido na antiga metrópole.

"Há de facto alguma pressão na opinião pública em relação à origem desses dinheiros investidos em Portugal e em relação à situação dos direitos humanos em Angola. Muitos portugueses estão conscientes quanto à importância de ajudar
Angola a desenvolver-se em todos os domínios. Mas o importante é que as regras sejam cumpridas e que haja boa governação das empresas e que o interesse público português seja salvaguardado".

Filipe Alves aponta outro aspeto pouco referido: que a maior parte dos investimentos feitos em Portugal foi financiada por bancos portugueses, nomeadamente pela Caixa Geral dos Depósitos e pelo BPI (Banco Português de Investimentos). E, por outro lado – adianta a propósito da nova estrutura do poder empresarial de Isabel dos Santos em Portugal – há uma componente muito forte de investimentos com base em dívida.

DW

Tag: Fortuna de Isabel dos Santos, Empresas da Isabel dos Santos.

PARTILHA NO FACEBOOK COM AMIGOS...

AUGUSTO KENGUE CAMPOS

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES

DIVULGA-TE AQUI...

DIVULGA-TE AQUI...

PROMOVA TEU EVENTO AQUI...

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

ENVIE-NOS NOVIDADES

ENVIE-NOS NOVIDADES