Partilha Nossa Página no Facebook ANGOLA: DESDOLARIZAÇAO FOI UM FRACASSO, JOSÉ MASSANO TERÁ PEDIDO DEMISSAO ~ Canal 82 | Agência de Notícias

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

ANGOLA: DESDOLARIZAÇAO FOI UM FRACASSO, JOSÉ MASSANO TERÁ PEDIDO DEMISSAO

 

AUGUSTO CAMPOS | LUANDA, 11 Fevereiro de 2015: O desaparecimento do dólar no mercado cambial de Angola deixa a vida dos cambistas no mercado informal em risco. Por outro lado, o Banco Nacional diz que a desdolarização na economia do país é animadora.
Em declarações a DW África, os famosos “kinguilas” - cidadãos que exercem a atividade cambial nos mercados informais do país tem vivido uma realidade diferente desde 1 de Julho do ano passado. Foi quando o executivo angolano obrigou as empresas petrolíferas que operam em Angola e as demais instituições estrangeiras a efetuaram todos os pagamentos de bens e serviços em moeda nacional.
Marcelina António trabalha há mais de vinte anos como cambista no antigo mercado do Roque Santeiro e agora exerce as suas atividades nas ruas do bairro Talatona em Luanda.
Para ela, a decisão do Governo dificultou a vida porque já não se consegue pagar as contas da casa. “Esses dias não estamos a conseguir trocar dólar porque o Governo proibiu a circulação da moeda [norte-americana]. Agora dependemos da venda de cartões telefónicos. Agora estamos a passar mal, e não temos outro meio de sustento”, disse Marcelina. 

Novo negócio

Vender cartões de recargas para telemóvel é o meio sobre o qual os “kinguilas” optaram para o sustento das suas famílias - negócio que, segundo os mesmos, é pouco rentável.
Mas fazem-no por não existir alternativa, sabendo que há imensas dificuldades em obter um emprego no país.
Outra “kinguila” ouvida pela reportagem relata que houve significativa deterioração no seu nível de vida. “A nossa vida agora está péssima, estamos sem emprego e o trabalho é esse da rua. Não sei o que podemos fazer! Estamos atrás do Governo para nos dar emprego, mas também não nos dá."
A cambista do mercado informal pensa em alternativas para garantir a sobrevivência da sua classe. "Voltem o sistema antigo, que se ganhava em dólar. Que voltem a receber os salários nesta moeda. Assim, nós da camada baixa vamos sobreviver."
Segundo fontes de algumas agências bancárias em Luanda que não quiseram gravar entrevista, os bancos têm apenas autorização de venderem dólares aos cidadãos que estão prontos para viajar. Tais pessoas devem apresentar o passaporte com um visto de duas semanas de antecedência.

PARTILHA NO FACEBOOK COM AMIGOS...

AUGUSTO KENGUE CAMPOS

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES

LIVRO: O MISTÉRIO DAS RELIGIÕES

DIVULGA-TE AQUI...

DIVULGA-TE AQUI...

PROMOVA TEU EVENTO AQUI...

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

MÚSICO, PROMOVE-TE AQUI

ENVIE-NOS NOVIDADES

ENVIE-NOS NOVIDADES